Fábio Porchat sai do Armário

Filho do político, roteirista e empresário Fábio Ferrari Porchat de Assis,  ainda bebê, transferiu-se com a família para São Paulo, onde morou até os 19 anos de idade.

untitled-295

 

Sua estreia no palco ocorreu em agosto daquele ano, quando cursava o primeiro ano do curso de administração da ESPM. Fábio foi com sua turma de faculdade aoPrograma do Jô e, num dos intervalos da gravação, enviou um bilhete ao apresentador Jô Soares, explicando que gostaria de encenar um esquete de sua autoria. Jô chamou Fábio ao palco. Fábio encenou seu esquete – um agitado diálogo entre Rui e Vani, personagens da série Os Normais -, alternando rapidamente as falas dos dois personagens. Ao final foi muito aplaudido e elogiado pelo apresentador.

 

Mudou-se para o Rio de Janeiro a fim de cursar Artes Cênicas na CAL (Casa de Arte das Laranjeiras), onde se formou em 2005. No mesmo ano, montou a peça Infraturas, constituída por esquetes de sua autoria, dirigida por Malu Valle e na qual contracenava com Paulo Gustavo. O diretor Mauricio Shermann foi assistir à peça e convidou Porchat para integrar o quadro de redatores do programa humorístico Zorra Total, da Rede Globo de Televisão, no qual Fábio também participou como ator. Posteriormente, ainda escreveu para o programa Junto e Misturado. Atualmente, está na equipe do programa dominical Esquenta, como roteirista.

 

Fábio Porchat também é autor de várias peças teatrais encenadas principalmente no Rio de Janeiro. Além de Infraturas, escreveu Olho de Boneca, Elas Morrem no Fim, Calabouço, Velha é a Mãe – esta última, encenada por Louise Cardoso e Ana Baird , obteve o 1° lugar em concurso promovido pelo Centro Cultural Banco do Brasil, em 2006. No mesmo ano, seu esquete O Crítico ganhou o Prêmio do Júri Popular no Salão Carioca de Humor.

 

Ainda em 2006, iniciou sua participação no primeiro grupo de stand-up comedy do Brasil, o “Comédia em Pé”, juntamente com Cláudio Torres Gonzaga, Fernando Caruso, Léo Lins e Paulo Carvalho, um dos principais espetáculos de stand up comedy no Brasil, apresentando-se também em outros shows e festivais, como o Risorama, no Festival de Teatro de Curitiba e no Comédia Ao Vivo, em São Paulo. Em 2007 obteve o segundo lugar no Festival de Curtas do canal AXN, com o “O Lobinho Nunca Mente”, que escreveu com Ian SBF, diretor do curta.

 

Em 2008, dirigiu a montagem de “Pic Nic no Front”, de Fernando Arrabal. Em 2009, escreveu, produziu e dirigiu a peça “Palavras na Brisa Noturna”, livremente inspirada no livro “As Boas Mulheres da China”, da jornalista chinesa Xinran Xue, com uma apresentação especial durante a FLIP, em Paraty. A peça foi encenada no Rio de Janeiro e em São Paulo.

 

Em 2010 lançou seu show solo de stand-up, intitulado Fora do Normal, apresentado em diversas cidades do Brasil. Fez parte do programa Junto & Misturado e foi protagonista do longa “Vai que dá certo”, comédia dirigida por Maurício Frias, com Bruno Mazzeo e Danton Mello.

 

Em 2012, Fábio Porchat criou, com Antonio Tabet, Gregório Duvivier, João Vicente de Castro e Ian SBF, uma produtora de vídeos para Internet – a Porta dos Fundos, na qual escreve e atua em esquetes de humor, exibidos no YouTube. Em pouco tempo o grupo do Porta tornou-se um sucesso na internet, consolidando Fábio como um dos mais notáveis humoristas do Brasil. Num dos vídeos mais populares, Porchat interpreta um funcionário impaciente com a indecisão dos clientes, numa sátira à rede de restaurantes Spoleto. “Alguém chegou para o presidente da empresa e disse: ‘Olha isso aqui, vai acabar com a gente.’ Ele disse: ‘Não, o contrário.’ E nos contratou para fazer mais dois vídeos. Tornou-se o maior case de marketing da Internet no Brasil.”

 

Mas nem sempre as reações ao humor escrachado de Porta dos Fundos foram tão amigáveis. Fábio já foi pessoalmente ameaçado pela Internet, depois que participou de um esquete no qual ironizava a corrupção na polícia. O vídeo, que teve mais de quatro milhões de visualizações no YouTube, mostrava policiais sendo esculachados e extorquidos por cidadãos comuns.

 

Ainda em 2012, integra o elenco de “A Grande Família” da Rede Globo. Em 2013, declarou, em uma entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que é ateu.

Participou em 2013 do quadro “Medida Certa” do programa Fantástico, da Globo. Já atuou em diversos filmes de sucesso, como por exemplo Meu Passado me Condena, O Concurso, Vai que dá Certo e também dublou o personagem Olaf, na versão brasileira de Frozen: uma Aventura Congelante.

 

Em 2016, foi contratado pela Rede Record, para conduzir um programa de entrevistas no final da noite, continuando no canal pago Multishow.